VIVENDO A LOGÍSTICA

SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LOGÍSTICA

Dentro da nossa história, vale registrar mais uma das nossas contribuições para o desenvolvimento da Logística no Brasil Em junho de 1999, através de uma parceria com o Prof.Douglas Lambert, PhD, uma das principais figuras da Logística no EUA, realizamos o II Seminário Internacional de Logística em Belo Horizonte, com apoio da UNA Ciências Gerenciais e patrocínio da CESA.

Sem dúvida foi uma das melhores oportunidades de conhecer as melhores práticas e como aplicá-la na nossa Logística.

Confira a programação no link abaixo!

>


PONTO DE VISTA

IMPROVÁVEL OU IMPREVISTO. COMO FICA A LOGÍSTICA EM 2009? – PARTE II

Dando seqüência aos nossos comentários da última edição, certamente todos, sem exceção, continuam sem norte (ou nas palavras interioranas “desnorteados”) com esta abertura de ano. E há muitas razões para isso, senão vejamos alguns exemplos de erros nas estimativas:

Indicador Previsões 2008
(feitas em 2007)
O que aconteceu
Dólar
IGPM
IPCA
Taxa SELIC
Saldo Comercial
PIB
1,90
5%
4%
11%
32
5/6%
2,42
9,8%
6%
14%
25
5/6%

‘Desta forma, ainda vivendo as grandes incertezas que lastreiam o mundo financeiro e produtivo, realmente nos leva a crê que embora continuem sendo exercido as previsões para 2009, corremos um risco de serem “furadas”. E é aí que entra a elasticidade e a flexibilidade da Logística para enfrentar a imprevisibilidade, pois com se diz na conversa coloquial, o ano que começa ruim termina bom.

Na verdade como tenho afirmado diversas vezes, o mundo globalizante ainda é administrado com base em teoria do século XIX e XX, que não levam em conta inúmeras variáveis que correm de forma instantânea e simultânea em fração de segundos. E são variáveis desconhecidas. Veja por exemplo a previsão feita no final de 2007 que preconizou o barril de petróleo a US$150, e no final de 2008, no entanto, fechou em US$40, assim como a declaração do presidente do FED em fevereiro de 2008 que diz “não espero qualquer problema sério entre os grandes bancos”, e todos nós vimos o que aconteceu com os bancos no último trimestre de 2008.

Deixando essas questões a parte, volto a ressaltar que nós da Logística já praticamos ao longo da história o gerenciamento do imprevisível, e agora temos que aprender a gerenciar o improvável. E nesse aspecto é que vejo na Logística o grande celeiro de soluções para enfrentamento das turbulências, independente da origem e da profundidade.

No entanto, se faz necessário a operação das melhores técnicas e práticas da Logística, e que ela seja vista como estratégia e não apenas como operação.

 IMAGEM